sábado, agosto 18, 2007

Bons amigos que retornam

Quando alguém volta para os braços de seu lugar, depois de ter lambido as pernas da Espanha, traz no seu sorriso tanta delícia, e outro delicioso companheiro, que o estava magnético, presença, magnético todo, com as portas de sua casa abertas, morangos, vinhos e carnes, e família simpatia, e uns doces de pessoa.

E vem o pai, anfitrião, com encantos de Leandro Sapucahy e Kevin Johansen, ilustres que se anunciam pela boca do bom homem, surpresa para mim, surpresa, eu não os conheço, mas agora sim, agora eles vão sambar poemas na minha cabeça, como o mundo fez no mapa de Murilo Mendes.

E vem a mãe, querendo puxar cadeira, gentileza, vocês estão há muito tempo em pé, mas é em pé que não se cansa, e a conversa já estava divinamente esparramada em rede de idéias, bebericando intenções de coisa alguma, prazer de jogar conversa fora dentro, falar é divertido, falar não cansa.

E vem o amigo do peito, aquele que lambeu as pernas da Espanha, que já me deu casa comida e roupa lavada sem nem pestanejar e eu era estranho, as suas viagens são de sol e bicicleta, roubada lá em Barcelona, no ímpeto da primavera, voltaste amigo para junto de um camarada que ultimamente só sabe fazer fumaça, humo, humo, humo, amigo deixaste o meu coração em festa por ti, excitado de lembranças e agoras.

E continua a chegar, aportar em mim que sou lugar de qualquer enlevo que queira caber, são os instantes de gula primazia, são os vestidos estampados de saudade, as conquistas que não precisaram de vitórias, belezas de pedras brilhantes, feito estas prendas que o destino nos concede para mostrar que a vida... a vida vale a pena!

Marcadores: ,

6 Comentários:

Às 1:13 PM , Blogger Lidiane disse...

Vale, Guto.
Vale a pena demais. Principalmente depois que se vê, no sorriso de quem dividiu alegrias e tristezas com a gente, a certeza de que a vida é mais.

Muito, muito bom ver você assim.
Muito, muito bom.

Beijo, carinho e amizade.

 
Às 6:03 PM , Anonymous Erika disse...

Que lindo isso, Guto.
Amizade que não morre, nem esmorece, nem a distância abala...
Amizade que só cresce.. como é bom poder o abraço.. o beijo.. o cheiro... o sorriso de perto... o calor emanado no mesmo ambiente.

Tudibom.

Beijos

 
Às 10:42 AM , Anonymous Si disse...

Que delícia! Melhor que ter amigos de volta é saber que eles são mesmo amigos, que a relação é boa, que o afeto, o bem estar continuam!

 
Às 6:08 AM , Blogger Bia Ferreira disse...

Caramba.. tua narrativa me lembra o raduan Nassar...
vc tem umas sacadas muito boas.
E sim, a vida vale muito a pena ("quando a alma não é pequena")

 
Às 8:37 AM , Blogger Sujeito Oculto disse...

Achei foda o texto! Essas coisas é que fazem tudo valer a pena!

 
Às 9:53 AM , Blogger Claudio disse...

Fala amigo. Vejo no seu texto traços de Almodóvar. Não apenas pela geografia comum, mas pelo turbilhão emocional que exprime.
Abração

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial