quinta-feira, agosto 02, 2007

O mistério da força

Trago o fogo dos instantes sinceros, a bulimia pelas letras absurdas e movediças. Me ardo com meu próprio cheiro, impregnado de contra-senso, repleto de sobressaltos ambulantes, de matéria sólida e pulverulenta. Esmago o cansaço, me divirto. Acuso em silêncio para não ser igualado. Desamasso a vergonha, apronto condimentos infantis. Porque às vezes só assim, infantil e bandido, se conquista o mundo.

Eu quero roçar a língua no topo da montanha, virar lampejo, fazer arte. Pegar minha ambição pelo braço, dançar ciranda com ela, improvisar passos rodados. Enxergo pilhas de palhas e pulhas, nem me entristeço, pois já foi época de me desencantar com a pouca cartilagem que há. Agora, nem sinal de travancas. Estou mau para alguns, já que ser... ser é uma paralisia que não leva a nada.

Então já não me defino. Só sei me desfazer e seguir, não em frente nem reto, mas amorosamente torto e sem jeito. Reunindo os cacos de tolice, os estilhaços de brandura para provocar o cão que morde, a sombra do fantasma que ataca, à noite, de dia, a qualquer hora, e inverter o jogo sem fim das injúrias, secar as lambidas do tempo no varal.

Depois que aprendi a não mais fugir de mim, tornei-me forte, muito mais do que tentaram me ensinar. E foi assim que cresci, vendo estrelas sem binóculos, assumindo os erros e jogando meio mundo de gente para debaixo do tapete.

*Imagem de Ziraldo

Marcadores:

16 Comentários:

Às 8:02 PM , Anonymous Lidiane disse...

Guto.
Já li muito por aí nesses anos todos.
Sei que me falta estrada, mas sem medo, posso afirmar que você é maestro com as palavras.
É quase música, Guto.
Mas não para todo mundo.
Às vezes é difícil digerir. É preciso mergulhar para que o sentido do que você escreve seja total.
Fã. Virei. Já disse e já sabe.
E é isso.

 
Às 8:07 PM , Anonymous Lidiane disse...

P.S. Tanto hermetismo e esqueci da força.
Roguei por ela esses dias.
Que venha pra mim, como veio pra você. Por entendimento de dentro pra fora.

 
Às 9:18 PM , Blogger Lu Cordeiro disse...

"Porque às vezes só assim, infantil e bandido, se conquista o mundo". Nunca eu tinha pensado nestes termos, mas é a pura verdade! E varrer pessoas pra baixo do tapete...já fiz isto. Mas elas continuam lá, como poeira que não se vê mas causa espirros.

 
Às 3:33 AM , Anonymous Erika disse...

Eu tava com saudade de te ler.

De ver estrelas sem binóculos através dos seus olhos.

Beijos

 
Às 7:44 AM , Blogger Guto Melo disse...

Lidiane, tem um livro do Bermejo que se chama Conversas com Cortázar. São sete anos de entrevistas compiladas, da época em que ele (Cortázar) morou na França. No livro, entre outras coisas, Cortázar fala do seu gosto pelo jazz, da monotonia do tango e do quanto a música o desperta. Se diz músico frustrado e revela que trabalha essa musicalidade em seus textos.

Tenho algumas composições, toco violão (mal) e já tentei alguma coisa com música sem êxito algum. Mas não chego a ser um músico frustrado, não diria isso. Como Cortázar, o contato com a música me transforma muito e é natural que isso de alguma forma verta no texto. Fico feliz por você perceber isso. Normalmente, as pessoas procuram os significados que a palavra contém. Quando escrevo, além de estar dizendo alguma coisa, busco música, plasticidade, ritmo, cadência, construções visuais, cinema. Todas essas coisas importam porque me constituem. No caso da música, ela me ensinou a vibrar, me trouxe a consciência do canto e vem me dando base para construir uma literatura melódica.

 
Às 5:36 PM , Blogger Segredos da Esfinge disse...

Guto,
É fabuloso quando encontramos dentro de nós o que nos parecia tão misterioso.
Abraços

 
Às 12:00 PM , Blogger Fernanda Passos disse...

Não se define....se faz torto e sem jeito....brinca de ser infantil e conseguiu colocar meio mundo de gente embaixo do tapete.
Esse teu texto é lindo. Cheio de metáforas e analogias....adoro essa linguagem.
Parabéns.

 
Às 3:25 PM , Blogger Tamara disse...

A força...

O mistério...

Um quietamento inquietante...

Aprendendo com esta força/mistério que ainda sou criança...

Guto, uma curiosidade: onde me encontraste?

 
Às 9:31 AM , Blogger Elza disse...

Olá guto, vim retrebui a visita!
Adoro esta imagem, acho que diz tanto....
rsrs..
boa semana.
=]

 
Às 10:08 AM , Anonymous Edson Marques disse...

Guto,

"repleto de sobressaltos ambulantes", eu fico quando te leio.

E deliciosamente!


Abraços, flores, estrelas..

.

 
Às 1:09 PM , Blogger Estava Perdida no Mar disse...

Oi, estou aqui rapidinho só para agradecer a visita no meu canto. Voltarei depois para ler e comentar com mais calma, mas já adianto que gostei bastante do que encontrei.
Beijos

 
Às 6:37 PM , Blogger J@de disse...

Boa noite, não vou comentar sobre o post, já tá na minha hora de mimi... só vim para agradecer seu comentário!!
Volto amanhã com calma porque gostei das primeiras linhas que li!!
Beijos!!

 
Às 4:42 AM , Blogger Jana disse...

To tentando aprender a não fugir de mim!

Beijos

 
Às 1:15 PM , Anonymous Claudio disse...

Impressionante como o traço do Ziraldo é inconfundível, né ?
Belo texto.
Abração.

 
Às 4:29 PM , Blogger Jane Malaquias disse...

Resumindo:poeta marrento.

 
Às 10:19 AM , Blogger Guto Melo disse...

Jane Malaquias,

não é você quem vai me resumir.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial