segunda-feira, setembro 17, 2007

As coisas sem nós



Cada casa tem um penteado
A árvore peruca
Aquele prédio está careca
E o chão...
No chão as coisas correm
A gente toda imita as coisas
Dentro da gente existe chão
Veias-estradas
Os órgãos mini-seres acoplados
Na cama dois portos trepam
Pelo prazer de viajar
Ou
Pelo compromisso de
Fabricar um chip de carne e osso
Enganchamento de colo
De colosso
De pele saltitante raiz de amores endividados
De química exaltada
Sem pano e sem planos.

Marcadores:

6 Comentários:

Às 9:34 PM , Blogger Fernanda Passos disse...

Letras consumidas na cadência de tua poesia. Leitores endividados com o retorno a este lugar que inspira.
Belíssima poesia.

 
Às 7:20 AM , Blogger Bia Ferreira disse...

ótima descontrução da palavra!!!!

 
Às 8:11 AM , Blogger MUTUMUTUM disse...

Adoro esse tipo de versinho. Metáforas rules o/

 
Às 9:58 AM , Anonymous Claudio disse...

Excelente o texto. Tb concordo quando dizem que as metáforas devem voltar a figurar nos textos e poemas.
Abração.

 
Às 2:00 AM , Anonymous ro druhens disse...

quanta estrada pra chegar até aí? bjo

 
Às 6:05 PM , Blogger Lidiane disse...

Sabe do que lembrei lendo você?
De um poema MARAVILHOSO do João Cabral de Melo Neto: A mulher e a casa. O que mais gosto dele, aliás.

Procê então:

Tua sedução é menos
de mulher do que de casa;
pois vem de como é por dentro
ou por detrás da fachada.

Mesmo quando ela possui
tua plácida elegância,
esse teu reboco claro,
riso franco de varandas,

uma casa não é nunca
só para ser contemplada;
melhor: somente por dentro
é possível contemplá-la.

Seduz pelo que é dentro,
ou será, quando se abra;
pelo que pode ser dentro
de suas paredes fechadas;

pelo que dentro fizeram
com seus vazios, com o nada;
pelos espaços de dentro,
não pelo que dentro guarda;

pelos espaços de dentro:
seus recintos, suas áreas,
organizando-se dentro
em corredores e salas,

os quais sugerindo ao homem
estâncias aconchegadas,
paredes bem revestidas
ou recessos bons de cavas,

exercem sobre esse homem
efeito igual ao que causas:
a vontade de corrê-la
por dentro, de visitá-la.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial