terça-feira, abril 03, 2007

Ordinal ordinário

Eu fico meio puto quando leio notícias como esta, publicada no G1:

Brasil é o 53º no ranking mundial de tecnologia
País cai uma posição e fica atrás da Jamaica

De acordo com a matéria, o Brasil empacou no tal NRI (Network Readiness Index), que é o índice utilizado para medir a capacidade dos países de aproveitar suas tecnologias de informação e se tornarem mais competitivos. O desenvolvimento tecnológico foi medido em 122 nações e o resultado divulgado na última quarta (28/03) no Fórum Econômico Mundial, encontro que acontece anualmente em Davos, na Suíça.

Enquanto engravatados do mundo inteiro armam o seu pomposo teatro e comandam a guerrinha para ver quem é o mais tecnológico, milhões de pessoas continuam sem acesso a essa tecnologia. A pergunta básica é: tecnologia para quem? E não quem é o melhor. Trata-se do ordinal ordinário, que indica status sem apontar caminho algum para resolver as questões mais sérias. Um trabalhador de Bangladesh, por exemplo, que ganhe um salário médio leva cerca de sete anos para conseguir comprar um computador e adquirir uma linha telefônica fixa ou móvel. Logo, o acesso à internet é um privilégio de poucos habitantes bengaleses. Isso sem contar o exército de famintos e miseráveis espalhados pelo mundo. Mas aí é outro papo.

A manchete é igualmente irritante. O problema não é ficar atrás da Jamaica. O Brasil também está atrás de Dinamarca, Suécia, Cingapura, Finlândia, Suíça, Holanda, Estados Unidos, Islândia, Reino Unido e Noruega... Mas destes tudo bem, são top, segundo o relatório. Da Jamaica não. Da Jamaica é proibido.

Há nisso uma duplicação do complexo de inferioridade que nós temos, fruto do fato de passarmos anos ouvindo que somos subdesenvolvidos. Sub, sub, sub o quê? – nunca perguntaram para os inventores das letrinhas indicadoras. Como admitimos ser menores ou piores do que as ditas nações desenvolvidas, temos que criar uma compensação. Uma forma de fazer isso é eleger países que sejam "inferiores" a nós para garantirmos um campo de atuação imperial. A atitude, preguiçosa ou viciada, de estar sempre olhando para fora com o intuito de pedir ilusão como esmola só faz confirmar o estado de amargura proveniente de nossa estagnação. Ocupamos o lugar de sempre: o de um país à espera. E como o futuro próspero nunca chega, uma melancolia vai se inseminando e ocupando um espaço cada vez maior no espírito coletivo.

Olhar para dentro de uma forma honesta já é algo em si difícil. Torna-se mais difícil ainda se considerarmos que o Brasil é imenso, cheio de recortes e sem memória, o que nos garante uma boa dose de ignorância. Entretanto, o autoconhecimento de nossa vida brasileira é fundamental. Enquanto semearmos obscuridade, estaremos condenados a uma esperança inútil. Não pelos índices, mas pelo nosso próprio descaso.

Marcadores:

10 Comentários:

Às 12:14 PM , Blogger Paula Negrão disse...

Não temos que pensar em sermos os melhores, temos que pensar em termos mais igualdade social e respeito.
(dentre muitos outros quisitos a serem melhorados)
Não precisamos ser de um país 'rico', temos que ser de um país que não falte nada a ninguém..a distribuição de renda anda mal.

beijos

 
Às 12:16 PM , Blogger Paula Negrão disse...

E por que a Jamaica não pode estar na frente?
Ela, com certeza, deve ter feito por merecer.

 
Às 3:40 AM , Anonymous Erika disse...

O país deveria se preocupar em colocar o povo em primeiro lugar, isso sim.

Beijo

 
Às 5:57 AM , Anonymous Jak disse...

Ta complicada a coisa no país msm.

Bjos

 
Às 10:42 AM , Anonymous Claudio disse...

O texto é magnifíco ! Preciso. Certeiro!
No meio desta selva de baboseiras que é a internet, o seu texto é um oásis.
Abração.

 
Às 4:09 PM , Blogger Jane Malaquias disse...

No futuro vai importar quem tem terra, sol e água. Neste momento seremos exterminados para dar lugar aos que sempre estiveram na nossa frente.

 
Às 6:38 AM , Blogger Bárbara P. disse...

Eu nunca tive tão nítida a sensação de viver num país completamente abandonado.

 
Às 11:07 AM , Blogger Lidiane disse...

Guto, vou morrer dizendo que o que falta nesta terra não é tecnologia, é investimento em educação. O resto, vem por conseqüência.
Mas...

 
Às 6:42 PM , Anonymous Ruberto disse...

"Brasil, o eterno país do futuro"
Somos o país emergente, com futuro prospero, mas que jamais chegaremos a ser desenvolvido...
Pq só existe um dominador, se existir um dominado...
E enquanto nos sujeitarmos a isso, continuaremos sendo o dominado pelos demais....

Abraços
E otima pascoa

 
Às 9:12 AM , Anonymous Erika disse...

Feliz Páscoa, Guto. Bençãos e felicidade.

E muito chocolate, porque ninguém é de ferro. rsrs

Beijos

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial