terça-feira, julho 22, 2008

Piratas para sempre


Como não poderia deixar de ser, a internet também é campo para o bom e velho ersatz, que alguns, inclusive a Justiça, preferem chamar de falsificação. Neste mês, por exemplo, o site de leilões eBay foi condenado por um tribunal francês a indenizar a Louis Vuitton em 40 milhões de euros (cerca de R$ 100 milhões). Motivo: a realização de leilões on line de produtos falsificados da Vuitton e venda sem autorização de produtos legítimos.

Mas a pirataria é antiga, Vuitton. Piratas, sozinhos ou em grupos, cruzavam os mares desde o século VIII a.C para sacar navios, assaltar povoados e, dessa forma, tornavam-se ricos e poderosos. Homero, em sua Odisséia, lançou o termo, que hoje serve para designar qualquer CD ou DVD que se copie em casa. A lógica continua a mesma, já que informação ou status são signos de poder. Os piratas modernos interceptam determinadas rotas para se enriquecer culturalmente, erguer uma bandeira de sofisticação ou realizar qualquer feito que dignifique o delito a serviço do acesso. Afinal, o acesso é constantemente dificultado, ou mesmo negado, pelos grandes patrões. Eles detêm a tecnologia de produção e distribuição; os piratas, além da tecnologia, possuem a manha de permanecer ocultos.


No mais, há uma canalhice que precisa ser dita: a indústria falsifica a si própria. Produtos sintéticos vendidos como se fossem de couro... Semana passada, comprei um super-bonder para colar um chaveiro que não passou uma semana colado, e por aí vai. Nós piratas somos mais honestos e, enquanto a Justiça multa, a História prevalece.


Marcadores: ,

5 Comentários:

Às 6:45 AM , Blogger Luca disse...

Pirataria é crime!

Não atire em navios!

 
Às 10:58 AM , Blogger Guto Melo disse...

Pirataria é massa! Os navios já afundaram!

 
Às 12:37 PM , Blogger Vinha disse...

Sinceramente não entendi seu comentário em meu blog!

 
Às 5:12 PM , Blogger Rebecca disse...

tudo é artificial demais.

beijos.

 
Às 7:43 PM , Blogger Rafael disse...

Acho que ambos os lados têm em parte razão e em outra cinismo. O lado dos artistas (produção) quer ter seu trabalho reconhecido mas em geral dificulta o acesso e ainda usa o status capitalista pra se promover. Como se quem tem dinheiro pra comprar fosse mais apto intelectualmente para entender/apreciar.
O lado dos piratas, bem, quer mais é que o sistema se ferre, e eu não vejo problema algum nisso. A cultura tem mais é que ser a primeira mesmo a transpor essas barreiras. Mas o limite entre o eu e o outro fica tênue, e cada um que conviva com sua consciência.
Eu aposto mais na minha que na de um desenvolvedor da Microsoft.

Pra mim, emprestar nunca foi crime. Se eu compro um cd e empresto pra um amigo meu, bem. Se a pessoa para quem eu empresto meu cd não é nem conhecida minha, ora, bem também. Quem tem a ver com isso?
Cínico? Sim. Mas cinismo por cinismo.
Ademais, meu objetivo ao baixar um filme na internet nunca foi ganhar dinheiro. Foi para meu entretenimento, e, depois, devidamente excluído.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial