quarta-feira, junho 25, 2008

O dito e o não dito - parte 4

Discordância. Sempre ou quase. Um modo de exercitar as diferenças. Óbvio. Elas precisam ganhar músculos, viver a hipertrofia da opinião instantânea, a glória raquítica dos bares. Nada do acanhamento do okei ou do aceno caduco do sim, penso como está posto. Tantas farpas trocadas para no fundo se dizer o mesmo. No fundo, cavando bem, é possível encontrar um baú, com uma série de rusgas inúteis, tesouro de cada ser que destoa, desafina para provar as coisas que desconhece ou testificar o limite da paciência do outro. Para estes, o melhor remédio talvez seja oferecer flores, cultivadas há muito no jardim da própria casa. Como pode existir um diálogo entre farpas e flores? É uma questão para se investigar.


Discordância, só quando vale a pena. Por exemplo, uma boa chacoalhada em campos hipócritas. Apenas estalos não servem, seria um diálogo entre dois tipos de hipocrisia. Penso que paralisar o rosto da impostura também resultaria bem. Sim, imaginar uma fileira de fingidos imóveis é como sentir cócegas. E o riso nervoso sai do espírito zarabatana e atinge o olho do embusteiro, que cega. Não seria fantástico, alguém dessa estirpe cegar por causa das cócegas de um justiceiro?

Marcadores: ,

5 Comentários:

Às 1:11 PM , Blogger Ju disse...

discordar pra mostrar outro ponto de vista...isso é importante.

 
Às 9:33 AM , Blogger Camilinha disse...

Ser "do contra" dá trabalho. Exige, não só um saber notório sobre diversos e extensos assuntos, como uma habilidade descomunal de discordar até de si mesmo quando, de fato, há concordância de idéias.
Faz-se, então, a diversão pela discussão e não pelo assunto em si... tem gente que gosta...


beijos daqui...

 
Às 5:53 PM , Blogger Rafael disse...

a camilinha me descreveu aí em cima, de certa forma
(e se eu estivesse sequer perto de ter um 'saber notório')...

 
Às 9:48 AM , Blogger Polêmica disse...

o teu blog é um dos mais legais e interessantes que já vi...parabéns!!!

 
Às 10:14 AM , Blogger Blog do Caçula disse...

Pois é, este diálogo entre "farpas e flores" me fez lembrar um samba de Nelson Cavaquinho chamado "A flor e o espinho" que diz assim: "(...)Hoje pra você eu sou espinho/ Espinho não machuca a flor(...)" ...

Muito legal a seqüência de "O dito e o não dito" ... aguardo a parte 5, 6 , 7 ...

Grande abraço,

Gustavo

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial